Translate

25 de outubro de 2016

Inspiration - "Dá minha janela vejo.... "

|   Tão perfeito...   |

"Da minha janela, vejo o mundo. É agosto e o tempo quer estender-se ao sol, na urgência do descanso ou da possibilidade de fazer coisa nenhuma. A vida, por cá, faz-se no vagar possível, porque as férias, porque o mar, porque o calor.

Nem sempre gosto do que vejo da minha janela. O mundo anda difícil, nesta falta de paz que se encontra em cada esquina, no medo que quer morar nos lugares que, dantes, eram de festa e nos espaços que, dantes, traziam a História pendurada nos dedos.

O que fizemos do mundo? Onde guardamos a esperança que tínhamos à beira dos nossos olhos, dentro do peito, ao alcance do nosso olhar? O que fizemos da vida, da juventude, dos amigos, das palavras doces e dos abraços tranquilos que protegiam as noites de antigamente? Onde escondemos a saudade do futuro:

- quando eu for grande…

O que fizemos de nós e dos nossos filhos? O que lhes ensinamos acerca dos beijos e do colo e da vontade imensa de ser feliz? O que lhes contamos acerca da poesia das coisas e dos homens? O que fizemos com as centelhas de sonhos que tínhamos guardadas para eles? Ter-nos-emos esquecido de ensinar aos miúdos a gramática do amor?

Na janela da minha manhã, o mundo reclama. Que não. Que não é bem assim. Que há um sol morninho a espantar os fantasmas. Que há jovens com vontade de mudar o mundo. Que há sonhos gravados no coração dos meninos. Que ainda há esperança.

E eu quero acreditar que sim. Que há poços escondidos nos desertos do Principezinho. Que ainda se pode alterar o rumo das coisas. Que ainda é tempo de ensinar que há um sujeito que pode tudo, que vai mais longe, que vence todos os obstáculos: o “nós”.

Pelos vistos, e a avaliar por aquilo que a minha janela me mostra [creio que todas as janelas mostram o mesmo], a teoria do “ou eu ou tu” não resultou muito bem e que aquela filosofia que diz que o tu tem de estar ao serviço do eu não trouxe a felicidade.

A janela donde vejo o mundo não é apenas a minha janela; é a janela de todos. O mundo que dela vejo não é apenas a minha casa; é a casa de todos. O tempo que tenho à minha frente e o sol e o mar e as férias são de todos. Por isso, meus amigos…

Será que ainda vamos a tempo?"

Graça Alves in "Jornal da Madeira"



Flávio Vasconcelos - Fotografia

With Love, Ana Rosina

Sem comentários :

Enviar um comentário

Pin It button on image hover